Auto estima

auto-estima

Tenho pensado muito sobre a importância da auto estima em nossas vidas. A construção da mesma não se dá da noite para o dia, mas através de um processo complexo que é transmitido por meio das experiências obtidas durante o período de crescimento.
A herança da saúde mental ou da enfermidade mental é transmitida através da micro cultura familiar, não sendo essa menos importante do que a herança transmitida através dos genes.
Sabe-se que a autoconfiança e a auto estima são desenvolvidas a partir da crença e confiança nas pessoas que nos cercam. Essa crença é construída na infância, através das experiências vividas pela criança, que servem de referência para suas atividades e, ao mesmo tempo, lhe dão liberdade suficiente para habilitá-la a vencer as fases do desenvolvimento.
A auto estima é uma poderosa necessidade humana, ela nos fortalece, nos dá energia e motivação. Ela nos inspira a obter resultados e nos permite sentir prazer e satisfação diante de nossas realizações.
Uma pessoa com boa auto estima procura o estímulo de metas desafiadoras, é mais provável que consiga persistir diante das dificuldades do que outra pessoa com baixa auto estima.
Então podemos definir a auto estima como a confiança em nossa capacidade para pensar e enfrentar os desafios da vida e também, a confiança em nosso direito de ser feliz, a sensação de sermos merecedores, dignos, qualificados em expressar nossas necessidades e desejos e desfrutar os resultados de nossos esforços.
Alguns autores acreditam que a auto estima é a soma integrada de dois aspectos.
Auto eficiência: a confiança em nossa capacidade de entender os fatos da realidade que está dentro da nossa esfera de interesses e necessidades. Seria a confiança em nossa capacidade de pensar, nos processos por meio dos quais refletimos, escolhemos e decidimos.
Auto respeito: significa ter certeza de nossos valores, uma atitude afirmativa diante de nosso direito de viver e ser feliz, a sensação de conforto ao reafirmar de maneira apropriada os nossos pensamentos, a nossa vontade.
Uma pessoa que se sente inadequada para enfrentar os desafios da vida, se não possui uma autoconfiança básica, confiança em suas próprias idéias, reconheceremos nela uma auto estima deficiente, sejam quais forem suas outras qualidades.
Não podemos confundir auto estima com egoísmo. O egoísmo pressupõe uma falsa auto estima, a pessoa que é egoísta tem uma atitude de querer o melhor e quase sempre no sentido material, somente para si, em detrimento dos outros. Quem possui boa auto estima, tem como conseqüência o amor e a estima aos outros. A pessoa quer o melhor para si, mas não em detrimento dos outros.
Por fim, pensando na importância da auto estima em nossas vidas acredito mesmo numa segunda chance, ou seja, algumas crenças que foram transmitidas através da micro cultura familiar, que venham a acarretar uma baixa auto estima, podem e devem ser reavaliadas para que possamos reconstruir nossa auto-imagem.

Que bom isso ser possível, pois do contrário estaríamos fadados somente a nossa herança cultural familiar.

Comentários atualmente estão desabilitados.

Uma Resposta para “Auto estima”

  1. Muitos conflitos subjazem na autoestima deficiente. As experiências do aqui e agora podem ser a chave para modificar a percepção de si mesmo.